09/08/2020

Eu quero o diferente

Estamos inseridos num tempo em que tudo é homogeneizado. As muitas camadas que nos cobrem escondem o que somos em essência. Por vezes, de forma tão profunda, que esquecemos nossas verdades, nossas crenças, nossas lutas. Somos condicionados ao status quo, a nos moldarmos ao establishment. E, de tanto cedermos, perdemos a nossa identidade. É difícil perceber o que acontece. É difícil romper essa apatia.

Estamos envoltos por tempos estranhos e difíceis. Mas, com esforço, pouco a pouco, passamos a ver que as imperfeições nos tornam únicos. Somos especiais nas diferenças. A ousadia, as marcas, as feridas, as expressões, as denúncias são as características que nos movem. Eu quero os sinais das lutas que nos mantém lúcidos, que nos permite romper as camadas de falsos confortos jogados sobre nós.